Assentados do Crédito Fundiário produzem camarão em São Cristóvão

Credito Fundiário | | 18:30h |

Pesca em apenas um tanque rendeu 600 kg de camarão e renda de R$ 9 mil para produtor rural

Agricultores familiares do município São Cristóvão atendidos pelo Programa Nacional de Crédito Fundiário (PNFC) encontraram na produção de camarão um negócio rentável. A pesca feita em apenas um tanque, no lote do produtor José Bonfim Araújo, rendeu 600 quilos de camarão na última terça-feira (16). Vendida a R$ 15 o quilo, a produção gerou uma renda de R$ 9 mil para a família de seu José. Se mantiver este resultado, ao final do ano, com dois tanques produzindo a cada 70 dias, ele terá conquistado uma renda de R$ 90 mil.

“Eles deixaram de ser agricultores sem-terra e passaram a ser empreendedores”, avalia o coordenador da unidade técnica do Crédito Fundiário em Sergipe, Alceu Oliveira Diniz. Ainda segundo ele, em São Cristóvão, o programa permitiu o acesso à terra a 39 famílias, distribuídas nas propriedades Bom Jesus, São Francisco e Novo Horizonte, todas no povoado Colônia. “Foram investidos, nas três propriedades, R$ 1,8 milhão - sendo R$ 1,3 milhão para a compra da terra (583 ha) e R$ 538 mil para investimentos comunitários, como a construção de estradas, sistema de abastecimento de água, limpeza e cercamento dos lotes”, detalhou Alceu.

O coordenador da unidade técnica, vinculada à Secretaria de Estado da Agricultura (Seagri), disse que os produtores de São Cristóvão têm um diferencial porque são os únicos beneficiários deste programa público de acesso à terra em Sergipe que trabalham com a carcinicultura. “Nem todos estão na atividade do camarão. Outros seguiram como agricultores e pecuaristas, que é a vocação da maioria de nossos beneficiários no estado”, acrescentou.

Na propriedade Novo Horizonte, o produtor José Bonfim Araújo, 33 anos, fala em mudança de vida. “Eu e muitos aqui trabalhávamos como diaristas, arrendando um pedaço de terra, trabalhando como caseiros. Hoje, graças a Deus, estamos trabalhando em nossa própria terra. No meu caso, batalhando com o camarão, que tem rendido bem e tem me dado condições de dar uma vida melhor para a minha família”, revelou o produtor, satisfeito.

José Araújo explica que tem dois tanques de cem por cento e cinquenta metros, que funcionam por gravidade, com as águas da maré do Rio Vaza-Barris. Ele tira, em média, 600 quilos do pescado a cada ciclo de 70 dias. O quilo do camarão é vendido, o ano inteiro, ao preço que varia entre R$ 15 e R$ 18 para o atravessador, que revende nas feiras livres e mercados da grande Aracaju. “Esse é um tipo de produção que envolve muita gente e gera renda para outras pessoas, como os que trabalham na construção dos tanques, na manutenção na segurança, na pesca e venda do camarão”, acrescenta o produtor.

A carcinicultura em Sergipe

De acordo com o presidente da Associação dos Produtores de Camarão de São Cristóvão, Sandro Monteiro dos Santos, Sergipe está entre os maiores produtores do Nordeste. A produção abrange os municípios banhados pelas marés e pelo Rio São Francisco, como é o caso de Brejo Grande, maior produtor estadual, responsável pela metade de tudo que é produzido. “Mas outros municípios vêm se destacando como São Cristóvão, Socorro, Estância, Indiaroba, Santa Luzia. A cadeia produtiva do camarão tem, hoje, um papel importante, porque envolve o comércio de larvas, de ração, além dos produtores e comerciantes deste pescado”, explicou.

Segundo ele, em São Cristóvão há cerca de 70 produtores de camarão, cuja produção média mensal é de 30 toneladas, conforme estimativa da associação. Sandro avalia que a produção de camarão em Sergipe é predominantemente familiar. “Esse é o nosso diferencial em relação a outros estados do Nordeste. Aqui, temos 95% de produtores familiares e apenas 5% de grandes produtores. E é uma produção que tem relação direta com pequenos comerciantes, e consumo básico voltado para receitas da culinária caseira. Prova disso é que o camarão mais produzido e vendido aqui tem entre 8 e 12 gramas (da espécie vannamei, também conhecida como camarão-branco-do-pacífico). É o que a maioria da população tem condições financeiras de consumir”, analisa. 

Crédito Fundiário

Possibilitando o acesso à terra e aos investimentos básicos e produtivos para agricultores familiares, o Programa Nacional de Crédito Fundiário é executado em Sergipe pela Secretaria de Estado da Agricultura (Seagri), em parceria com o Governo Federal. Visando à estruturação dos imóveis rurais, desde 2003, o programa investiu R$ 79,35 milhões, beneficiando 2.257 famílias sergipanas. Nos últimos cinco meses, foram adquiridas seis novas propriedades, beneficiando 45 famílias, através de um investimento equivalente a R$ 3,29 milhões, dos quais R$ 2,1 milhões foram para a compra da terra e R$ 1 milhão para investimentos iniciais para a produção.

Para o secretário da Agricultura, André Bomfim, o programa possibilita autonomia e descentralização do processo de aquisição de imóveis rurais. “É uma das parcerias exitosas entre o governo Federal e o governo Estadual para acesso à terra; complementar ao Programa de Reforma Agrária. Entendemos esse programa como central, porque a garantia do acesso à terra conduz à consolidação da agricultura familiar, estimulando a geração de emprego e renda no campo e contribuindo para a diminuição da pobreza rural nos municípios. Quando vemos casos de sucesso como o do seu José, percebemos o quanto o programa faz a diferença na vida dessas famílias”, concluiu André.

Agricultores de Capela recebem recursos para infraestrutura produtiva e assistência técnica

Credito Fundiário | 11.04.19 | 03:40h

Em menos de sete meses eles já foram atendidos pelo Programa Nacional de Crédito Fundiário (PNCF) com recursos para compra da terra, em agosto do ano passado, mais os investimentos comunitários liberados agora, totalizando R$ 874.999,90.

Governo cria unidade produtiva e entrega títulos de terra a seis famílias de trabalhadores rurais

Credito Fundiário | 15.03.19 | 18:30h

O Programa Nacional de Crédito Fundiário oferece condições para que os trabalhadores rurais sem terra ou com pouca terra possam comprar um imóvel rural por meio de um financiamento

Crédito Fundiário possibilita acesso à terra para mais 43 famílias de agricultores em Lagarto

Credito Fundiário | 06.11.18 | 14:40h

O município de Lagarto chega a 20 propriedades adquiridas pelo Programa de Crédito Fundiário, totalizando R$ 14.629.911,05 investidos.

Credito Fundiário itinerante em Poço Verde discute 14 propostas de aquisição de terra

Credito Fundiário | 23.01.18 | 16:40h

“Este é um programa que já investiu um valor significativo no estados tem funcionado como complementar à reforma agrária tradicional”.

Crédito Fundiário possibilita acesso à terra para mais 43 famílias de agricultores em Lagarto

Credito Fundiário | 06.11.18 | 14:40h

O município de Lagarto chega a 20 propriedades adquiridas pelo Programa de Crédito Fundiário, totalizando R$ 14.629.911,05 investidos.

Credito Fundiário itinerante em Poço Verde discute 14 propostas de aquisição de terra

Credito Fundiário | 23.01.18 | 16:40h

“Este é um programa que já investiu um valor significativo no estados tem funcionado como complementar à reforma agrária tradicional”.